23 de novembro de 2009

Vassalagem

Vassalagem...
Curvo-me perante ti quando me foges
Imploro que prolongues os momentos
Desatino numa angústia dolorosa
Quando me cais das mãos como areia fina.

Permanece e deixa-me acabar as frases...
Que cruel tens sido para mim, Tempo fugidio...
E eu - vassala das tuas horas apressadas.

6 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem, escrito numa noite de insónia certamente!!

António

Å®t Øf £övë disse...

Jacinta,
A maioria das vezes a vassalagem é inimiga do amor. Partilha, cooperação, sintonia, e cumplicidade... sim.
Vassalagem... não.
Beijinhos.

Jacinta Correia disse...

Olá, António. As insónias felizmente não têm sido muitas.Às vezes bem precisava de umas noites de insónia para adiantar trabalhos que não consigo fazer durante o dia:). bj

É cruel a vassalagem, sim, Art. Mas a minha relação com o tempo tem sido essa mesmo - uma dolorosa conquista por mais horas para todas as tarefas que tenho pela frente. Bj

Cleo Borges disse...

Menina voce é uma grande poetisa!
Nao se pode medir em grau se um poeta é maior do que o outro, pois só sua dor e sua paixão sabe responder isso....
Mas a profundidade do qeu escreves, é profundidade qeu só se alcalça com extrema sensibilidade...
DEus Abençoe você menina!
Cléo Borges

Pepe Luigi disse...

Prodigiosa sensibilidade escrita neste seu poema.
Pepe,

Vieira Calado disse...

E o tempo passa...

E de lá para cá...

não escreveu mais nada?


Beijinho